27
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 17:11link do post | comentar | ver comentários (1)

Num sítio onde a decência cívica fosse valorizada e onde a falta de vergonha na cara fosse condenada, nenhum jornalista digno desse nome iria ouvir Vitor Bento a defender o aprofundamento dos cortes nos salários e despesas sociais com os seus concidadãos.
Como foi amplamente divulgado na ocasião, o sucessor de Dias Loureiro no Conselho de Estado esteve dez anos ocupando um lugar na banca privada. No final dessa licença sem retribuição, ou lá qual era a figura jurídica que se encontrou para fazer o jeito, Bento voltou ao lugar de origem no Banco de Portugal para ser promovido por mérito e acabar reformado com uma pensão mais alta.

Nada mau para o homem que Cavaco nomeou para suceder ao também seu Dias Loureiro no Conselho de Estado. Um Vítor Bento defensor empenhado do Governo de Passos Coelho e Paulo Portas. Do mesmo Governo que ainda agora informou os professores do ensino secundário que não há subsídios de despedimentos, pré-reformas ou regresso ao Estado para ninguém se aceitarem rescindir os vínculos contratuais. 
Um Faz aos outros, o que nunca fizeste a ti que integra o conselheiro presidencial nessa oligarquia sinistra, medíocre e cúpida que circula e divide entre si lugares na banca e à sombra do Estado português.

Na quinta-feira, Vítor Bento escreveu para o Público um artigo onde, como virgem impoluta que nunca tivesse sido picado pela asquerosa ideologia, cavalga e reforça a histérica fatwa anti-constitucional conduzida pela Comissão Europeia, pelo FMI, por domésticos barretos.

Pela prosa do homem percebe-se que não faz a mínima ideia do que é um Estado de Direito, do que seja uma Democracia ou sequer a separação de poderes - uma coisa pensada (como toda a gente sabe) lá no longínquo século XVIII pelo barão de Montesquieu.

Que Cavaco se tenha rodeado de tais cabeças apenas escancara a dimensão da tragédia em que nos deixámos envolver.


26
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 08:12link do post | comentar

 

Depois de se ter enganado ao escrever que a actual coligação governamental é aquela que há mais tempo se aguenta no poder, o jornalista foi fazer a tricentésima entrevista (só neste ano) ao mais pop dos assalariados de um conhecido mercador holandês.

 

Como aquilo espremido, mexido e voltado do avesso nada terá que se recomende ou com vago brilho, lá se chamou para título o mais propalado e gritado dos sonhos húmidos do homem: que o que faz falta é mudar a constituição.

 

Mas ainda há aí alguém que não soubesse que há anos que António Barreto quase não faz outra coisa que repetir isso? Será notícia a enésima debitação da mesma ideia política pingada de modo a entrar na cabeça dos brutos? Daqui a nada dão-nos a separação dos Beatles como manchete.


21
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 21:05link do post | comentar

 

(via o Tempo das Cerejas 2)

 

Nota: Foto com link.


20
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 22:31link do post | comentar | ver comentários (1)

Lá do Panamá, Cavaco diz "querer saber o preço que o país pagará se algumas normas do Orçamento do Estado não passarem no Tribunal Constitucional."

 

No últimos dois anos, Cavaco foi incompetente deixando passar orçamentos que chumbaram no Tribunal Constitucional e que se tornaram assim legislação fora-da-lei.

 

Cumprir e fazer cumprir a Constituição está mesmo naquela lista de coisinhas que qualquer Presidente jura ao tomar posse do cargo. De qualquer modo ninguém se espanta: a palavra de Cavaco (vê-se nas troca-tintices do caso SLN ou da inventona das escutas de Belém) já só tem valor para fiéis e distraídos.

 

Mudança urgente na Lei Fundamental era a que especificasse de que modo pode o Presidente da República perder o mandato por coontinuado incumprimento do seu juramento mais básico.


19
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 22:13link do post | comentar



16
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 23:24link do post | comentar | ver comentários (1)

Um tipo vai a uma urgência, vulgaríssima de Lineu, e paga 18 euros. A médica que o atende marca-lhe uma consulta de fisiatria para daí a mais de um mês e meio.

 

Pelo caminho, e por não poder esperar (tem parte dos dedos de uma das mãos com dormência constante; não dorme com as dores; quase não consegue escrever, à mão, ou no computador; não consegue conduzir, agarrar em pesos) marca consulta, quase imediata, com um fisiatra numa clínica privada. Com seguro de saúde, a consulta fica por 25 euros, apenas mais sete euros que a do SNS.

 

Obviamente o caminho é desmantelar o SNS e levar toda a gente a trocá-lo pelas seguradoras, que acima de determinada idade (ou mal se arranje uma doença a sério) deixam de fazer seguros ou passam a cobrar por eles prémios exorbitantes.


publicado por Tempos Modernos, às 08:37link do post | comentar | ver comentários (1)

 

E a CGTP resolve obedecer a uma decisão administrativa de legalidade contestada quando tinha tudo para ter sucesso na acção e cedendo estrondosamente perante este Goverrno.


13
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 20:12link do post | comentar | ver comentários (1)

Mário Soares diz que alguns membros do Governo são "deliquentes" e têm de ser julgados.

 

Jorge Sampaio pede "assomo patriótico" e repudia críticas ao Tribunal Constitucional.

 

Jerónimo de Sousa chama a Passos e Portas "trapaceiros e malabaristas".

 

O antigo reitor Meira Soares acusa o Governo de "estupidez".

 

"Com o que tem acontecido em Portugal era para ter uma guerra civil em cima", diz o bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas.

 

Marques Mendes acha que "parece um governo de adolescentes e de gente imatura".


publicado por Tempos Modernos, às 09:40link do post | comentar

 

(Fonte: em dn.pt, Paulo Spranger - Global Imagens)

 

O PCP chamou-lhe "frete", Vasco Pulido Valente "um puro «tempo de antena»". Independentemente das acusações, a condução do processo de lançamento d'O País Pergunta prova a completa desadequação de Paulo Ferreira para o cargo de director de informação do canal público de televisão.

 

Primeiro, o programa não podia ter sido emitido em cima das autárquicas ignorando todos os outros partidos, como o director de informação do canal defendeu.

 

Segundo, nada justifica que este modelo do "Eleitor pergunta que o entrevistado responde" fique reservado para o primeiro-ministro e para António José Seguro, como se informar consistisse em, ainda mais que em afunilar as escolhas dos eleitores, em dar-lhes só as opções tidas como legítimas pelos cultores dos sacrossantos critérios editoriais.

 

Os canais de televisão têm obrigações de serviço público e de pluralismo e, mesmo quando instrumentalizada por sucessivos governantes, a RTP por maioria de razão.

 

No meio disto, há sempre uns grandes repórteres disponíveis para recomendar a coisa como "serviço público". Só que nada se pode fazer quanto à irreprimível vontade de certas figuras para se auto-ridicularizarem.


12
Out 13
publicado por Tempos Modernos, às 09:56link do post | comentar | ver comentários (1)

 

(Fonte: O Mensageiro, The Postman, 1997)

 

... será vendida até Dezembro.

 

O negócio está nas mãos de Pires de Lima, ministro do CDS-PP.

 

Seria significativo que o maior partido da oposição (e os outros também) avisasse a navegação: "Quando chegarmos ao Governo renacionalizaremos os CTT, um tipo de empresa que até nos livres Estados Unidos é uma empresa federal, e garantimos que não pagaremos indemnizações a quem agora se chegar à frente."

 

Era vê-los virem.


mais sobre mim
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

14
15
17
18

22
23
24
25

28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO