11
Jan 13
publicado por Tempos Modernos, às 10:30link do post | comentar

No Público, um dos directores lá consegue descobrir "méritos" na coisa do FMI, relatório em vários casos assente em dados falsos ou inconciliáveis. Manuel Carvalho não é caso único, bastava ler ontem a imprensa.

 

Nas épicas biografias que o jornal preparou para os seus quadros depois de despedir vários jornalistas, verifica-se que está na direcção da publicação desde 2000

 

Valeria a pena disponibilizar também os textos que publicou entre esse ano e o da abertura declarada da crise. Talvez desse conta de quanto o Público contribuiu para o esclarecimento da população em relação aos caminhos que se percorriam.

 

Deve ser precipitação minha, mas quase que aposto que Manuel Carvalho produziu textos muito semelhantes a esse de ontem. Textos só aparentemente responsáveis, contidos, equidistantes. Só aparentemente inócuos, neutros. A ruína do jornalismo assenta nisto. A do país também. Os jornais criam e mantêm estados de espírito. 

 

Manuel Carvalho é tão qualificado para falar do FMI como uma grande parte dos seus leitores e dos portugueses. Tem é um jornal à mão ou, como diria Pépa Xavier, uma das mais divertidas novas comediantes portuguesas, "tem uma voz e a sua voz é importante". 

 

 

 


mais sobre mim
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

18

21
23

27
28
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO