14
Mai 13
publicado por Tempos Modernos, às 13:56link do post | comentar

 

(Foto: sicnoticias.sapo.pt)

 

Desde que, há dois domingos, Paulo Portas foi à televisão explicar o denodo com que continuava a defender reformados, tem andado o espaço público ocupado por um corropio de amigos, correligionários e fãs zangados com os que acusam o ministro dos Negócios Estrangeiros de encenação.

 

Alguns, como Vasco Pulido Valente - que resguardado pela declaração prévia de que é amigo de Portas pretende excluir-se da sua própria intenção política -, descobre nos críticos intenções explícitas: Tenta quebrar-se o eventual elo mais fraco do Governo para o derrubar.

 

Como se comprovará, há dois anos que por aqui se liga Paulo Portas e encenação. A ideia está longe de ser original, embora em muito da análise  publicada a pareçam ter descoberto apenas agora e se mostrem incapazes de a ver desligada de intenção partidária. O achado recente de Pulido Valente remete mais para o campo da desatenção de que para o da especial elaboração intelectual e faro político. 

 

O mal explicado recuo (ou não recuo) em dominical conselho de ministros, apenas oito dias depois das declarações de Portas, não reforçou um ponto de vista benigno para o governante. Até prova em contrário, Paulo Portas e encenação continuam a declinar-se do mesmo modo. Mesmo entre quem tem a certeza absoluta que o seu ponto de vista em nada influenciará o futuro da coligação.


mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

16
18

19
21
22

27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO