26
Jun 13
publicado por Tempos Modernos, às 20:05link do post | comentar

 

(Foto: jn.pt)

 

Miguel Relvas corre o risco de perder a licenciatura não por causa de cadeiras sobre as quais se desconfia que pouco deve saber, mas por causa de uma cadeira cujos conteúdos demonstrou conhecer e à qual foi avaliado.

 

Perfeitamente de acordo com a possibilidade de que a experiência e conhecimentos adquiridos ao longo da vida sejam academicamente validados e contribuam para obtenção de grau.

 

Mas convém que os conhecimentos adquiridos tenham correspondência com a realidade. Não servem para tudo. Se nunca operei um cérebro, não vejo muito bem como me darão equivalência a neurocirurgia.

 

Num outro nível, a exigir menor especialização técnica, como o da licenciatura em Ciências Políticas e Relações Internacionais, na Universidade Lusófona, Miguel Relvas obteve equivalências a 32 das 36 disciplinas que constituíam o curso, à conta da sua experiência profissional.

 

Alguém que, como Miguel Relvas, andou toda a vida profissional muito próximo da gestão da coisa pública e exerceu cargos governamentais estará obviamente bem preparado para obter um número relativamente alto de equivalências num curso do género do escolhido. Miguel Relvas terá obrigatoriamente uma percepção muito acima da média sobre o que é a administração pública e a sua prática.

 

Mas, por mais competente e capaz que fosse, há sempre uma carga alta de conhecimentos teóricos de base, do campo da filosofia, da história e da ciência política que não terá adquirido. Por algum motivo lhe pediram que realizasse provas em cadeiras como Quadros Institucionais da Vida Económica Política e Administrativa; Introdução ao Pensamento Contemporâneo; Teoria do Estado da Democracia e da Revolução; e Geoestratégia, Geopolítica e Relações Internacionais.

 

O que é estranho é que num curso que necessariamente terá muitas cadeiras deste género, Miguel Relvas tenha obtido 32 equivalências à custa da experiência profissional. Que conhecimentos demonstráveis de história ou de filosofia terá podido apresentar através do currículo profissional?

 

Infelizmente, não é isso que o trama - ou pode tramar. O que trama Miguel Relvas não é a sempre discutível atribuição de créditos em cadeiras sobre cujos conteúdos dificilmente terá conhecimentos, mas cuja validade foi reconhecida pelos catedráticos da área.

 

O que o trama é uma regra interna, perfeitamente burocrática, que o impede de fazer avaliação com base apenas numa oral. O ex-ministro corre o risco de perder a licenciatura por causa de uma cadeira a que foi realmente avaliado e ninguém pode dizer que uma oral é menos exigente que um exame escrito. Num exame escrito, e ainda mais num curso da área das humanidades, o avaliado pode sempre refugiar-se naquilo que sabe melhor, evitando o que ignora e camuflando fragilidades. Em oral, corre o risco de que lhe descubram todos os vícios.

 

 


mais sobre mim
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

20
21

24
25
27
28
29

30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO