04
Abr 16
publicado por Tempos Modernos, às 08:53link do post | comentar

Há dias, ouvi um painel na área da economia, com um habitual moderador, jornalista profissional, mas indisfarçável temeroso da situação, com dois convidados. Um reconhecido moderado e preocupado por ter uma leitura do OE completamente destrutiva, arrasadora e exibindo como é seu hábito o tom de uma “pitonisa” que prevê para muito breve o caos, o tsunami da economia portuguesa. E mais me perturbou como o moderador deu mais corda a este comentador e conclui: pois é, brevemente, cá estaremos para o doutor comentar essa desgraça.

Sinceramente, eu penso que os jornalistas têm de praticar a isenção. E muito especialmente aceito que, em especial os economistas com competência e saber para analisar a verdade crua e nua da realidade da economia portuguesa, não criem ilusões. Mas sobrepor o receio do desastre à procura dos caminhos e atitudes que podem contribuir para “travar” ou ultrapassar esta difícil situação sabe a uma certa doentia preconcepção. Nunca no valor da ética jornalística a liberdade de opinião pode soçobrar ao calor da responsabilidade.

 


mais sobre mim
Abril 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
23

24
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO