04
Jan 16
publicado por Tempos Modernos, às 19:19link do post | comentar

banifTN.jpg

 

Alguns líricos da profissão dizem que a existência de muita informação, inclusive nas redes sociais, em nada substitui o jornalismo. O jornalismo garante o rigor que toda essa informação disponível não garante.

 

Numa estação de televisão, na sequência da comunicação de Costa sobre o Banif, fazia-se o resumo dos tweetts do dia. Num deles, um tal Mamede, não apanhei a identificação completa, admirava-se com Jerónimo de Sousa que ouvira a elogiar, ou pelo menos a aprovar, a solução do Governo PS para o banco. O tuítador reforçava a ideia ao dizer que já não o espantaria ver a Festa do «Avante!» patrocinada pelo Pingo Doce.

 

Desconfiei. Só ouvira Jorge Pires, da comissão política do PCP, falar sobre o assunto, em tom e substância bem longe da leitura feita no referido tweett. Também não dera com declarações do secretário-geral comunista sobre a solução de Costa e de Centeno - o que aliás se confirma visitando o sítio do partido.

 

Dois dias depois, a 23 de Dezembro, o PCP rejeitaria a solução do Governo ao votar contra o Orçamento Rectificativo de 2015. Ou seja, uma graçola falsa numa rede social aproveitada pelo jornalistas sem espírito crítico ou preocupação de rigor, verificação de consistência e de veracidade. 

 

O resultado foi uma informação falsa dada aos espectadores pelos jornalistas. Será de admirar que cada vez menos gente leia jornais?

 


mais sobre mim
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO