09
Fev 17
publicado por Tempos Modernos, às 12:06link do post | comentar

As universidades armadilharam o jornalismo com a parte não lectiva dos mestrados pós-Bolonha.

 

Depois de no primeiro ano se ter aulas ao estilo das licenciaturas, aquilo conclui-se no ano seguinte através da escrita e apresentação de uma dissertação, a chamada tese de mestrado; de um trabalho de projecto; ou de um estágio com relatório.

 

Está bom de ver que boa parte dos estudantes de ciências da comunicação, dos que pensam no jornalismo, preferem o estágio com relatório. Assim, tentam assentar praça numa redacção, lugar onde andam aos caídos e, pior, onde não aprendem absolutamente nada que faça sentido para lhes complementar a formação científica.

 

Em compensação, estão convencidos de que se podem fazer notar. De que têm ali uma oportunidade, dizem.

 

Só que nenhuma licenciatura de comunicação ganha absolutamente nada com os estágios curriculares. E um estágio profissionalizante, necessário para a obtenção da carteira profissional, é coisa absolutamente diferente,.

 

Um estágio curricular faz sentido em áreas disciplinares de forte componente experimental, onde os gestos façam a diferença, como nas medicinas. Onde a formação teórica necessite de se relacionar com uma prática e com um saber fazer que a universidade não pode dar. Não se pode fazer um diagnóstico sem estar com um doente real. É um campo do saber onde a prática simulada não substitui a prática real. Em Medicina não se consegue dar resposta aos pressupostos da profissão e aos conhecimentos obtidos com a formação superior se não se souber fazer determinados gestos ou cumprir determinados protocolos complexos. Nestes casos, a falha, o não juntar da compreensão teórica e da compreensão prática podem ter consequências letais.

 

Já o jornalismo é de uma simplicidade atroz. Precisa apenas de ver respondidas seis questões (O Quê? Quem? Quando? Onde? Como? e Porquê?) e seguir um código deontológico. Não é preciso um estágio para seguir estas práticas. Qualquer cidadão mediano consegue pegar num telefone, fazer essas perguntas a um interlocutor e transmitir as respostas. Muito menos faz sentido que uma Universidade reconheça valor científico a um estágio onde não se pode fazer mais do que responder às benditas seis questões.

 

Pode argumentar-se que há a rádio, que há a televisão, que há o digital. Que recorrem a outros meios. Mas é que nem aí se justifica um estágio curricular. Justifica-se, sim, um curso de formação. Mas mesmo sem aqueles meios o essencial do jornalismo continua a passar pela resposta às referidas perguntas e ao cumprimento de um código deontológico. E não pelo uso do equipamento.

 

As questões jornalísticas, aquelas a que interessa dar resposta num currículo científico de um curso superior de ciências da comunicação, não passam por filmar ou gravar com um smartphone ou por mexer num editor de imagem. Os meios mudam e os problemas da profissão continuam os mesmos. Posso não saber usar os meios, mas se perguntar o que tenho de perguntar, se seguir um código deontológico e se transmitir as respostas que obtive, então estou a fazer jornalismo. Em compensação, posso ser um mago da edição de vídeo ou de som, que se não fizer as referidas seis questões seis e atropelar o código deontológico não estou a fazer nada na profissão. 

 

O essencial de um curso superior de jornalismo não passa pelo uso de equipamentos e ferramentas. A isso chama-se curso de formação profissional. Ou curso de actualização. Com as constantes mutações tecnológicas, um estudante que entre no primeiro ano a usar uma câmara de filmar, no final do quinto já terá mais umas dezenas à disposição. Mas isso é o que se passa com os jornalistas velhos e relhos: quando numa redacção de televisão se muda de editor de imagem, o que faz sentido é que toda a gente tenha um curso de formação para uso da nova ferramenta. O mesmo num jornal quando se muda de editor de texto. O jornalismo, aquilo que interessa avaliar, continuará sempre a passar pela obtenção das respostas às mesmas seis questões, cumprindo um código deontológico.

 

E todos esses meios, sabem?, até houve um tempo em que havia técnicos sem qualquer formação superior ou formação em jornalismo que os operava e manipulava. Pior, para fazer jornalismo, até houve um tempo (e não foi há tanto tempo como isso, que eu sou engenheiro) em que um curso de ciências da comunicação não era preciso para nada. E os resultados estavam longe de ser piores, mesmo que o restrito Clube dos Directores que Temos diga o contrário.

 

Os estágios curriculares no jornalismo não trazem qualquer mais-valia científica a uma formação superior ou ao conhecimento dos estudantes. Além de cientificamente facilitistas, os estágios curriculares são parte de uma corrente perversa e injustificada entre as redacções e a universidade. Os estágios curriculares no jornalismo permitem, aliás, à Universidade manter um ano curricular inteiro com quase ausência de custos humanos e financeiros: entrega-se o estudante a uma redacção onde, na melhor das hipóteses, terá acesso a uma doxa conformista, e reduz-se ao mínimo a interacção com um orientador académico. Uma ideia de formação que precisa de ser muito repensada e que obedece, no essencial, a medíocres critérios corporativos e exclusivistas.

 


02
Nov 16
publicado por Tempos Modernos, às 16:02link do post | comentar | ver comentários (2)

Pode dar tudo para o torto, mas apesar da interferência do FBI na campanha e de algumas sondagens, Hillary Clinton tem grande probabilidade de ser eleita presidente dos Estados Unidos da América.

 

A eleição dos presidentes norte-americanos é indirecta. E, para ser eleito, o candidato tem de garantir 270 votos do colégio eleitoral. Há estados pequenos, que elegem apenas três eleitores (por exemplo, o Alasca, o Wyoming, Washington DC) e estados populosos a eleger 55 eleitores (como a Califórnia), 38 (como o Texas) ou 29 (como a Florida).

 

Também há estados garantidamente democratas (o Massachussets é um, com 11 eleitores), onde os republicanos não fazem campanha por não valer a pena, e, vice-versa, estados assumidamente republicanos (veja-se o Tennessee, também com 11 eleitores) onde as caravanas democratas nem páram. Aí as urnas estão virtualmente fechadas e os dois maiores partidos norte-americanos contam há muito com esses eleitores como seus.

 

Depois há, como já se sabe, os estados dançarinos, onde a luta é renhida, e tanto podem cair para um lado como para o outro. E é aqui que tudo se joga. Em estados ambíguos, como a Florida (29 eleitores), Nevada (6), Iowa (6), Ohio (18) não se sabe se a vitória pende para Hillary Clinton ou para Trump.

 

Tudo contabilizado, no presente momento, Hillary Clinton terá 263 dos 270 eleitores de que necessita no colégio eleitoral para assegurar a eleição. Donald Trump terá 164.

 

Será expectável que todos os estados dançarinos acabem por votar em Trump, dando-lhe os mais de 100 votos de que necessita? Ou será mais provável que um ou dois desses estados, mesmo que pouco significativos em termos populacionais, acabem por dar a vitória a Hillary Clinton, assim como os sete votos de que necessita para ser eleita presidente dos EUA este domingo?

 

 

 


12
Nov 15
publicado por Tempos Modernos, às 10:15link do post | comentar

Numa outra encarnação, desaparecido que andava o ultra-liberal Pedro Arroja das páginas do Diário de Notícias, onde defendera inanidades como a privatização das praias, cheguei, em conversa, a sugerir ao chefe de redacção que o convidassem para fazer opinião na revista.

 

Acho possível concluir que o meu amor ao contraditório e ao pluralismo informativo é maior do que o juízo

 

Nota: Arroja achará, realmente, haver muita gente interessada em saber das mulheres que deseja? As referidas inclusive? Nem dadas, Apeles? Alguém lhe perguntou? Que falta de elegância.

 

 


09
Nov 15
publicado por Tempos Modernos, às 17:10link do post | comentar

Marques Mendes lá se entreteve ontem a descobrir um vencedor nas negociações à esquerda. Escolheu o Bloco de Esquerda, mas podia ter escolhido o PCP ou o PEV. O objectivo é causar instabilidade na solução governativa negociada pelos esquerdas, preocupar o PS e acicatar aquilo que dizem ser uma inultrapassável e fatal rivalidade entre o BE e o PCP.

O objectivo não é acertar e esclarecer, mas usar o balcão televisivo para fazer valer uma agenda própria e minar a dos outros. Marques Mendes, como Marcelo Sousa, durante mais de uma década, não dá ponto sem nó.

 

 


05
Nov 15
publicado por Tempos Modernos, às 08:47link do post | comentar

Queixam-se da falta de acordo da esquerda, da demora de um mês em produzir resultados.

 

A mesma comunicação social que consegue emparelhar três apoiantes do Governo PSD-CDS/PP e da tróica no mesmo painel de comentadores e, de certeza, ainda fala em liberdade de imprensa, queria era ter estado este mês a fazer coisas giras com o conhecimento do acordo, do programa e com a opinião pública. 

 

O subdirector do Diário de Notícias recupera ainda a tese manifestada, este fim-de-semana, por Henrique Monteiro, ex-director do Expresso, num painel de comentário televisivo em que também participou: a de que a existência de três moções de rejeição evidencia um PS, um BE e uma CDU "incapazes de se entenderem" nos motivos da recusa do programa da Coligação de Direita e a sua incapacidade para suportarem conjuntamente um Governo. 

 

Empenhados em encontrar o pauzinho na engrenagem, misturam acessório e essencial. Em tempos de convergência, ignoram os sentidos da reafirmação de valores e convicções programáticas perante os eleitorados habituais. Monteiro e Saraiva passam por alto, como se não tivesse existido, a intencional e simbólica convergência na eleição do Presidente e da mesa da Assembleia da República.

 

De Monteiro é melhor não falar, mas Nuno Saraiva é mais sofisticado do que os argumentos que tem utilizado.

 

 


03
Nov 15
publicado por Tempos Modernos, às 13:32link do post | comentar

«Mas fala da comunicação social sempre como se fosse uma entidade independente, sem laços sociais. 


Não acho que seja uma entidade independente, pelo contrário, estou a enunciar as suas dependências, mas acho que é uma instância que não pode ser reduzida ao determinismo económico e político.

 

É uma instância com autonomia, e essa autonomia não é toda boa, parte dela é corporativa: são as ideias circulantes da classe e o seu corporativismo e comportamento de rebanho, que diminui o seu pluralismo.

 

É uma comunicação social muito moldada por uma aproximação ao político, que é em grande parte a que gerou Marcelo Rebelo de Sousa. Marcelo é o grande educador do jornalismo político, e deu-lhe a base interpretativa: os cenários, uma atenção ao calendário, os factos políticos, a que o Portas acrescentou as frases assassinas e os sound bites.

 

E uma parte dos jornalistas formou-se nessa escola dupla: a do “Independente” e a do “Expresso”.

 

E isso faz com que tenham uma aproximação muito pouco criativa e reagem muito mal às mudanças. Sempre me recusei a fazer cenários sobre estas eleições, dizendo que depois das eleições tudo muda. Nós na história sabemos que o principal elemento dela é a surpresa, e estamos fartos de ter surpresas: o Estado Islâmico é uma surpresa, a Grécia não estava inscrito nem como começou nem como acabou.

 

Há muita coisa nova, e que altera as regras de jogo. A elite jornalística, sobretudo a que faz opinião, que é muito próxima das direcções e dos donos e dos seus interesses, tem tendência a não se querer desdizer a si própria.

 

E como nos últimos quatro anos muita gente alinhou no “é inevitável a austeridade”, “não há alternativa” e num discurso catastrofista, perante a possível alternância não podem perder a face.

 

Isso aliado a uma enorme ignorância dá coisas como dizer que vamos regressar ao PREC e jornais que dizem barbaridades como quem manda em Portugal é o PCP. É de doidos.»

 

Entrevista a Pacheco Pereira no jornal i


publicado por Tempos Modernos, às 13:13link do post | comentar

E é isto jornalismo? E, depois, berram que censura é a providência cautelar de Sócrates contra a violação do segredo de justiça.


publicado por Tempos Modernos, às 13:08link do post | comentar

Um painel de comentário televisivo com João Miguel Tavares, Paulo Ferreira (ex-negócios e ex-RTP) e António Costa (ex-DE) pretende esclarecer a quem?


publicado por Tempos Modernos, às 13:01link do post | comentar

Andam tão desnorteados, tão desnorteados que até já levam para manchete declarações de um José Junqueiro contra a coligação de esquerda.


publicado por Tempos Modernos, às 12:59link do post | comentar

naom.jpg

 

(fonte: Notícias ao Minuto)*

 

Entre os debatentes da Direita, e falo com atraso, o tão afamado académico Paulo Rangel aderiu ao comentário de mão na anca, chanato e xaputa.

 

* A imagem não corresponde ao actual perfil emagrecido do intelectual eurodeputado laranja


mais sobre mim
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO