03
Ago 16
publicado por Tempos Modernos, às 12:03link do post | comentar

Por muito brilhantes que os dois autores sejam, e são, tenho alguma dificuldade em levar a sério as análises do Ministério da Educação feitas por Paulo Guinote e Carlos Fiolhais .

 

Em 2011, já para começar a criticar o ministro da Educação de Passos Coelho, o professor de História dizia ter sido:

 

"[U]m dos que acolheram com enorme expectativa a nomeação de Nuno Crato para ministro da Educação, fruto de uma admiração pelo seu discurso claro e objectivo contra o que, na opinião de muita gente e atravessando fronteiras ideológicas ou político-partidárias, impossibilitou a nossa Educação de dar o salto da conquista da quantidade para a da qualidade."

 

Por sua vez, em 2012, o físico da Universidade de Coimbra ainda arranjava motivos para elogiar o ministro da Educação saído do catálogo da Gradiva. Falava de "impulso reformista", de "cortes na despesa", de "revolução traquila". Dois anos depois, em 2014, já tudo era passado:

 

"Também eu simpatizei com Nuno Crato e com a sua ideia de «implosão» do Ministério da Educação."

 

O discurso de Crato sempre trouxe dentro do seu discurso aquilo que depois foi. Que não lhe tenham topado o ovo autoritário e privatizador dentro de um discurso de exigência e rigor mostrou falta de discernimento.

 

O novo ministro da Educação pode ter muitos defeitos, vir a revelá-los todos e até não resolver problema nenhum. Mas Brandão Rodrigues tem para já a enorme vantagem de não alimentar uma narrativa da edcação e da avaliação enquanto castigos e da escola enquanto simuladora das dificuldades da vida. Só isso já é uma limpeza de alma não desprezável.


publicado por Tempos Modernos, às 11:55link do post | comentar

Mesmo maus a Português e Matemática os resultados das provas de aferição apontam caminhos de solução, ao contrário do rol de exames de Nuno Crato.

 

Os novos resultados são qualitativos, desagregados por tipo de erros e apontam áreas de intervenção.

 

E, para já, eventuais dificuldades logísticas parecem não despertar problemas.


19
Jul 16
publicado por Tempos Modernos, às 20:37link do post | comentar

Tiago Brandão Rodrigues tem sido um bom ministro da Educação (o que não era difícil depois do beco oitocentista em que Nuno Crato enfiou o sector). Pôs fim a ideias muito, muito velhas, freou gastos injustificados, pôs fim ao vocacional e ao ensino segregado.

 

Mas a ideia de substituir as notas das provas de aferição por relatórios individuais parece fazer escasso sentido. A feitura destes relatórios tem tudo para se tornar uma tarefa ciclópica e de muito difícil operacionalização

 

 


12
Jun 16
publicado por Tempos Modernos, às 19:33link do post | comentar

 

colegio.JPG

 

Além do cartaz com erro que se vê na imagem, manifestantes de colégios privados com contrato de associação têm usado pelo menos outro de sintaxe aberrante:

 

"Querem tirar-me a escola que gosto"

 

Ao menos da qualidade do ensino de português não se podem gabar muito.


29
Mai 16
publicado por Tempos Modernos, às 17:25link do post | comentar

Vou deixar de usar os transportes públicos. Arranjei um tipo que tem um táxi porreiro e confortável. Vou passar a viajar nele e depois mando a conta aos tipos dos colégios privados ou ao cardeal Clemente e à Conferência Episcopal Portuguesa.


publicado por Tempos Modernos, às 17:04link do post | comentar

"Assunção Cristas defende que a escola pública também possa ser "sacrificada" por motivos ideológicos.


publicado por Tempos Modernos, às 15:16link do post | comentar

Marcelo Rebelo de Sousa elogiou há dias a Democracia por nunca ter atacado a Igreja Católica portuguesa.

 

São sentimentos bonitos, que infelizmente não garantem reciprocidade. Ao contrário dos antecessores pós 25 de Abril, Manuel Clemente não tem guardado sempre distância dos partidos que aprecia quando vai votar.

 

Em conferência e imprensa e na homilia de 13 de Maio, em Fátima, o cardeal voltou a tomar partido pelos colégios com contrato de associação.

 

Aproveitou o Altar do Mundo para explicar como o Estado deve legislar tendo em conta as "legítimas escolhas de cada um".

 

Entretanto a Conferência Episcopal Portuguesa resolveu apoiar a manif promovida hoje por associações ligadas a colégios com contrato de associação.

 

A Democracia não atacou O Reino, mas os d'O Reino são Legião a meter-se com César.


24
Mai 16
publicado por Tempos Modernos, às 12:19link do post | comentar

cartaz_jsd.jpg

 


19
Mai 16
publicado por Tempos Modernos, às 08:36link do post | comentar

Diz-se no Público que o primeiro-ministro António Costa quer mais privados na educação, mas que ainda ninguém disse que sim. A Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade diz que proposta de Costa vai criar "redundâncias" como as que criticou nos contratos de associação.

 

Curioso que venha destes sítios a preocupação com as redundâncias. Será genuíno ou revelará precupações com a redistribuição do bolo? Há dias, ao corte de turmas, previsto pelo Estado, nos colégios privados com contrato de associação, chamou Rodrigo Queirós e Melo, da Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular, a "certidão de óbito" do sector. Exageros, quando a coisa atingirá 39 colégios num universo de 2800 estabelecimentos de ensino do género.


12
Mai 16
publicado por Tempos Modernos, às 11:05link do post | comentar

Não basta, mas os bons órgãos de comunicação social caracterizam-se pela expressão do contraditório e do pluralismo.


mais sobre mim
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12

15
16
19
20
21

22
23
24
25
26
28

29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO