27
Jun 17
publicado por Tempos Modernos, às 10:10link do post | comentar

Conto de memória e sujeito a erros. Há uns anos no Instituto de Defesa Nacional, onde fazia um curso de Segurança e Defesa para Jornalistas, contava um dos formadores que em determinada altura se tinha entregue a alimentação das forças da NATO na ex-Jugoslávia a empresas civis de catering. Queria-se poupar e o concurso foi vencido por uma companhia italiana.

 

Todavia, talvez nem tudo tenha corrido tão bem como o lado financeiro. A tropa portuguesa, por exemplo, já tinha pouca paciência para tanta massa. E as marinhas mundiais já há muito que perceberam a importância da boa alimentação a bordo para manter o moral.

 

Mas nem é a questão dos apetites que interessa por aí além. Todos os problemas fossem esses. Em determinada altura, uma qualquer unidade militar de um qualquer país acabou uns dias largos cercada e sem abastecimento. Por causa dos riscos, os funcionários das empresas civis recusaram-se a ir alimentar os homens. Coisa que não aconteceria se em vez de companhias de catering, tivessem enviado companhias de administração militar.

 

Lembro-me sempre destas histórias quando vejo histórias como as do fecho ou alienação do Laboratório Militar, dos hospitais militares, da Manutenção Militar, das Oficinas Gerais de Fardamento e Equipamento e de vários estabelecimentos fabris militares, como os Estaleiros Navais do Alfeite.

 

Há algum laboratório farmacêutico interessado em desenvolver medicação para o paludismo quando os medicamentos para a queda de cabelo dão mais dinheiro? Tem-se preferido fechar, privatizar, em vez de procurar modelos de gestão, produção e de investigação mais modernos. Lembrei-me de tudo isto por causa dos custos e falhas do SIRESP, que talvez com contratação de meios civis e outra organização das coisas, pudesse ter sido desenvolvido pelos armas, classes e especialidades de transmissões e comunicações das Forças Armadas.

 

Não é que as coisas não falhem. A minha confiança é até relativamente baixa. Mas os Estados Unidos da América há muito que perceberam a importância para a economia do desenvolvimento de equipamentos. Nem tudo tem de ser aplicado em material de guerra e boa parte dos inventos tem aplicações civis.


16
Jan 17
publicado por Tempos Modernos, às 15:01link do post | comentar

A pasta de papel é uma matéria-prima a exportar.

 

A sua actividade talvez faça sentido em períodos como o actual. E talvez não haja outro remédio.

 

Mas é uma produção de baixo valor acrescentado.

 

E o país precisa como de pão para a boca de uma produtividade assente na mais valia dos produtos e em indústria de ponta. Os trabalhadores portugueses produzem pouco não por trabalharem pouco, mas por que os bens que produzem são baratos ou não transaccionáveis.

 

O sector de que Portugal necessita não é o da produção de matéria-prima que outros irão transformar em produtos que depois exportam para Portugal.


05
Jan 16
publicado por Tempos Modernos, às 14:19link do post | comentar | ver comentários (9)

 

superbock-praias.jpg

Pede-se na direita avaliação da reposição dos feriados. Deve ser a mesma direita da profunda reflexão e dos muitos estudos que justificaram a sua eliminação.

 

Já há muitos uns anos vi pela primeira vez um um deputado a vender aos colegas de hemiciclo a perda para a economia que constituía cada feriado. Referia, claro, a existência de estudos que não me lembro de algum jornalista lhe ter pedido.

 

Simples como costumam ser estes trabalhos de estimativa económica, imagino que tenha assentado num daqueles modelos de aritmética simples, algo como PIB/365. Na economia* dizem-se, demasiadas vezes, demasiadas coisas, apenas por se achar.

 

Feriados geram, por exemplo, uma economia de lazer, uma economia turística, que nunca se vê referida pela direita ou pelos economistas de plantão ao comentário. Nas empresas cujos trabalhadores gozam feriados ignora-se também a poupança nos custos energéticos, de limpeza, etc. E, um pormenor, muitas das pontes são gozadas tirando dias às férias. Esses dias seriam, de qualquer modo, dias perdidos para a produção.

 

Um feriado gerará quebras no sector financeiro, mas isso é dinheiro que escapa para o estrangeiro através da relocalização de dividendos. O dinheiro do grosso dos restaurantes e de muitos pequenos hotéis há-de ficar por Portugal. Mesmo que nem todo seja apanhável através da máquina fiscal, boa parte dele entrará no bolso dos funcionários que assim pagam as suas contas, outra parte servirá para pagar a fornecedores.

 

Com a eliminação de feriados, em que medida os ganhos da Finança ou da indústria serão compensados pelas perdas do Turismo? O que ganhou o país, o Estado fornecedor de serviços públicos, de Saúde, Educação, com os ganhos obtidos pelos bancos portugueses através do corte de quatro feriados? Quanto teria ganhado através do Turismo se os quatro feriados tivessem ficado? E criou a Banca mais empregos? Teria o turismo criado mais postos de trabalho?

 

Passos Coelho e Paulo Portas não têm respostas para isso. Interessava era, ideologicamente, dificultar o descanso. Minar o espaço de ócio. Era mais importante destruir direitos do trabalho do que defender a produção. Nos últimos anos, as fábricas que tinham sido geridas pelo (pen)último ministro da Economia despediram gente – fábricas no sector agro-industrial, uma daquelas áreas cuja produção (sumos, cervejas, etc.) se escoa mais facilmente com um turismo vivo. Em que medida o aumento de produção de cerveja conquistada pelos quatro feriados eliminados foi escoado pela subtracção de quatro dias ao descanso?

 

 

* Aquilo não é, nunca foi, ciência, apenas a manipulação algébrica e uma matemática vagamente aplicada (que deita fora os milhares de variáveis potencialmente significativas que qualquer universo social gera) lhe dão uma respeitabilidade naturalizada que não justifica. Por exemplo, o efeito da subida do salário mínimo na criação/destruição de emprego estará por estudar de modo relativamente conclusivo.


11
Dez 12
publicado por Tempos Modernos, às 11:05link do post | comentar | ver comentários (1)

 

(Foto: guardian.co.uk)

 

Álvaro Santos Pereira quase que pareceu aceitar uma boa ideia: Reindustrializar o país (e a Europa)


Afinal, não. Era só um pretexto para acabar com a legislação ambiental.


21
Nov 12
publicado por Tempos Modernos, às 19:07link do post | comentar | ver comentários (1)

Cada tiro, cada melro. Agora Cavaco contesta o estigma que afastou Portugal do Mar, da Agricultura e da Indústria. Nas caixas de comentários de jornais online, a maioria dos leitores estranha estas novas preocupações.

 

Com o tempo que leva a perceber aquilo que era essencial, talvez daqui a outros tantos 27 anos Cavaco venha a estar preparado para ser Presidente da República.


mais sobre mim
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO