05
Nov 16
publicado por Tempos Modernos, às 14:09link do post | comentar

"«O que tem acontecido na comunicação social é o acompanhamento de buscas e detenções em directo. Essa informação, naturalmente, tem que partir da investigação criminal», atira a bastonária dos advogados.

«Basta ver uma determinada publicação, que eu não vou aqui referenciar, para todos os dias estar aí transcrito o que a investigação criminal está a fazer», sublinha."


27
Ago 16
publicado por Tempos Modernos, às 14:52link do post | comentar

Os incêndios florestais em Portugal trazem sempre alguns tópicos populistas de discussão.

 

Primeiro, surge a ideia peregrina de lançar os incendiários às chamas. Já a ouvi da boca da mesma pessoa que lançava beatas de cigarro pela janela do carro e que se zangava por lhe chamarem a atenção.

 

Depois, fala-se dos desempregados e dos beneficiários do rendimento de inserção que devem se postos a limpar matas. Não ocorre aos proponentes que a falta de limpeza das florestas portuguesas também decorre das poupanças obtidas com o fim dos guardas florestais, atirados para a GNR, e até dos cantoneiros da antiga JAE. Entre a criação de empregos ligados à floresta e o forçar desempregados e pobres a limpar as matas há sempre uns quantos a preferir a segunda opção.

 

Por fim, outro tópico recorrente é o do uso dos militares no combate aos incêndios. Se há quem queira aproveitar desempregados e beneficiários do rendimento mínimo em trabalhos de limpeza de mata para o qual não têm vocação nem treino, é natural existir quem queira desviar as Forças Armadas daquilo para que elas servem e para o que são treinados.

 

Isto, embora, em caso de necessidade, as Forças Armadas possam e devam apoiar os bombeiros e a protecção civil. Como ainda agora se viu claramente na Madeira. A Força Aérea até poderá usar horas de voo em treino de ataque a incêndio. Durante o Verão o Exército pode e deve fazer treino de campo e patrulhas nas matas. A arma de Engenharia pode e deve abrir picadas e estradas corta-fogos. 

 

Mas se calhar, sem treino específico, os militares do Exército apenas serão aproveitáveis como auxiliares, na retaguarda dos bombeiros, e nas situações mais dramáticas. Não se substituem a forças de combate a incêndios bem treinadas e bem equipadas. Mas não é disso que se trata, o pressuposto desses críticos (e, por um variado conjunto de motivos, há jornalistas entre os mais excitados pelas chamas) é que as Forças Armadas gastam dinheiro e não fazem nada, tal como os desempregados e os beneficiários do rendimento mínimo. Entre a opção de planear e ordenar para evitar catástrofes e emergências, há sempre uns quantos que preferem improvisar.

 

 

 

 

 

 


05
Ago 16
publicado por Tempos Modernos, às 12:08link do post | comentar

O primeiro impulso para mudar de canal veio quando o experiente jornalista de política  de um canal televisivo disse que

 

"Nas próximas horas […] vai haver essa troca de argumentos, constitucionalistas a favor e contra, juristas a favor e contra, e as leis são sempre dúbias. Em Portugal, as leis são sempre dúbias."

 

Anda a humanidade há milénios e milénios com tribunais e juízes atrás para derimir conflitos e afinal descobre-se que as leis dúbias são uma realidade portuguesa. Aguentei estóico, para manter as metáforas vindas da Antiguidade. Mas depois, o jornalista acrescentou que

 

 

"Se a lei não é clara, mudem a lei. Não façam um código de conduta."

 

Todos ouviram falar de leis a pedido e por aí fora, mas em nada se recomendam as análises deste experiente jornalista de política: Defende a mudança casuística da lei por uma questão conjuntural e ignora toda a imensa critividade humana para encontrar buracos e omissões mesmo nos mais cerrados articulados legais.

 

Fui fazer o jantar.


05
Fev 15
publicado por Tempos Modernos, às 10:17link do post | comentar

"Fui educado por um outro código, que já não vigora: o de que não se bate numa pessoa que está caída, não se goza com um preso, não se brinca com um doente, não se ri de um soldado coxo na formatura."

 

Adaptado de declarações de João Araújo,  advogado de José Sócrates, em entrevista ao i.


17
Nov 14
publicado por Tempos Modernos, às 20:56link do post | comentar

Lá por Miguel Macedo ter um entendimento da ocupação dos lugares da república mais decente e menos próximo da versão lapa de que comungam ministros de acção trágico-anedótica como Crato ou Paula Teixeira da Cruz, isso não faz dele um bom ministro.

 

Ou já se esqueceram das cargas policiais, inclusive contra jornalistas em trablaho, nos inícios da governação da actual maioria? Ou dos recentes gastos com o design de um novo uniforme para a PSP, apenas três anos depois de a corporação ter mudado de farda pela última vez? É que, ontem, até Sócrates foi relativamente simpático com o trabalho de Macedo.


16
Nov 14
publicado por Tempos Modernos, às 11:50link do post | comentar

Da última vez que olhei, 69 por cento dos leitores do Diário de Notícias digital, respondentes a um inquérito DN, achavam que "a corrupção nos vistos Gold pode prejudicar a harmonia governamental".

 

Uma treta. O longo interregno de publicações de Tempos Modernos deveu-se muito a já estar tudo dito. Quantas vezes, desde 2011, aqui se escreveu que as zangas entre CDS-PP e PSD não passavam de fumo para distrair, que em nada se repercutiriam no caminho e actividade do Governo? Ide contá-las, se duvidais.

 

Mas não admira que aos inquéritos se responda no sentido em que se reponde. As peças publicadas nos jornais continuam a sugerir essa via. Tantos anos após Maquiavel, continua a não se distinguir discurso e realidade.

 

Paula Teixeira da Cruz é tão má agora quanto era antes de tentar arranjar bodes expiatórios à custa da má implementação de uma errada política centralista.

 

Pode soar a justificação cavaquista ou ladainha à Vasco Pulido Valente, mas as ideias de Crato já eram perfeitamente mediocres e relhas quando eu o dizia em redacção perante oposição massiva dos colegas em volta. O mesmo quanto a Isabel Jonet.


14
Nov 13
publicado por Tempos Modernos, às 17:26link do post | comentar

 

Os tempos andam perigosos para os cultores da teoria da separação de poderes.

 

O Governo, detentor do poder executivo (bem como muitos cidadãos com escassa noção do que é uma democracia, muitos deles pagos pela comunicação social e até com carteira profissional de jornalista e  cargos de direcção), tem achado que a Constituição, a Lei Fundamental do país, deve ser morta e esfolada até lhes acertar nas vontades.

 

Agora, saem-nos na rifa acórdãos onde se espera que decisões judiciais desanuviem tensões diplomáticas.

 

Passa-se qualquer coisa de muito estranha com os critérios de recrutamento e de formação de certas elites nacionais que teimam em meter-se nas jurisdições umas das outras.

 


17
Jan 13
publicado por Tempos Modernos, às 13:05link do post | comentar

O caso de José Guedes, detido 13 meses como suspeito de homícidio, julgado e absolvido custou demasiado dinheiro aos contribuintes portugueses. 

 

Além da justiça que falha ao manter alguém nestas condições durante 13 meses, a história evidencia mais uma vez a qualidade de certo jornalismo de investigação. Que farão agora o jornal Sol e Felícia Cabrita que deram a notícia de que o homem seria o extripador de Lisboa?

 


11
Dez 12
publicado por Tempos Modernos, às 10:39link do post | comentar | ver comentários (1)

 

(Foto: en.rian.ru)

 

Magalhães e Silva pensou em certa altura ser advogado da Ordem dos Advogados. Ainda bem que não foi. O que pensa sobre a forma de acabar com as violações do segredo de justiça não se recomenda num Estado asseado:

 

"Quando é que esta novel classe dirigente, de Passos Coelho a Seguro, tem coragem de proibir a publicação de factos em segredo de justiça e cominar prisão efectiva para quem o fizer? Verão como acabam logo as violações do segredo de justiça."

 

Trocando por miúdos, prende-se o mensageiro, mas deixam-se dentro das corporações da Justiça os que têm em primeiro lugar a obrigação de respeitar a lei e de não violar o segredo de justiça.

 

E as ideias peregrinas não páram. Há pouco tempo, Rui Pereira, antigo director do SIS e ex-ministro do PS, e Loureiro dos Santos, antigo ministro da Defesa e Chefe do Estado Maior do Exército, vieram defender o regresso ao serviço militar obrigatório (aqui e aqui) - uma coisa, dizem, capaz de influenciar os valores da comunidade.

 

Os sucessos do modelo têm-se visto. A maioria dos que nos têm governado ainda são do tempo em que existia serviço militar obrigatório, esse período risonho e auspicioso em que os valores da comunidade eram influenciados. Essa época parece ter dado aquilo a que em linguagem científica se chama um "resultadão". Nos dias que correm há demasiadas péssimas ideias a pôr a cabecinha de fora.


05
Nov 12
publicado por Tempos Modernos, às 19:44link do post | comentar | ver comentários (1)

Há dias, num comentário de um blogue alguém dizia que um economista era uma pessoa que queria tirar um curso superior e queria fugir à matemática.

 

A facilidade com que propõem modelos numéricos para prever comportamentos humanos e sociais é tão inquietante como a fé com que olham para os resultados.

 

Pior é que persista ainda na opinião pública a ideia distorcida de que a economia é infalível. De que segue regras naturais bem determinadas a que não se consegue escapar e que em nada dependem das opções de actores políticos e dos comportamentos absolutamente aleatórios das sociedades.

 

Deve resultar desta confusão conceptual a condenação a seis anos de prisão de um conjunto de cientistas italianos por terem subestimado riscos de sismo na região de L'Aquila, em 2009. Precedido por abalos de menor intensidade, o terramoto de 6 de Abril desse ano acabou mesmo por causar 309 vítimas mortais.

 

Como perceberá qualquer pessoa que perceba um bocadinho de matemática e de física, a descrição dos fenómenos sismológicos assenta essencialmente em modelos estocásticos e não determinísticos. Qualquer previsão nesta área é feita com margens de erro. É sempre o tipo de evento que pode ou não acontecer.

 

A incerteza acerca da ocorrência de um grande e mortífero terramoto era a única resposta cientificamente possível que os sismólogos poderiam dar. E terá sido a que deram. Só que após uma reunião com eles, um elemento da protecção civil emitiu um comunicado afastando o perigo. Mais de três anos depois, um tribunal italiano condenou os cientistas por negligenciarem o perigo.

 

Vivemos num mundo em que está generalizada a ideia de que a economia é uma ciência exacta, e não uma métrica social. Só mesmo nele é que se pode ver um exercício de futurologia num trabalho onde se avalia a possibilidade de ocorrência de um tremor de terra.


mais sobre mim
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO