11
Jun 17
publicado por Tempos Modernos, às 10:46link do post | comentar

José Gomes Ferreira, que logo na escolha do nome profissional não evitou confundir-se com o poeta, continua por aí, director-adjunto da SIC, a querer confundir o que faz com jornalismo. Será entretenimento, será até opinião, mas sem o lado da análise jornalística, sem verdadeiro contraditório e sem pluralismo, mas jornalismo não é.

 

Esta semana, José Ferreira mais que do uma entrevista terá entrado num debate com o primeiro-ministro António Costa, "o António" como tratou o governante em plano de igualdade. Depois, após as críticas que choveram, que o pessoal tornou-se mais atento, veio escrever um lençol digital onde acusa os críticos e as redes sociais de pulsão censória

 

José Ferreira é parte bem visível da má moeda jornalística, a  moeda da lei de Grisham, que Cavaco celebrizou. A moeda má que afasta a boa. O jornalismo é infrequentável por causa dos Josés ferreiras - e de muitos outros com quem partilho carteira profissional, mas não espaço nas redacções - que a má moeda evacou-as de asseio jornalístico.

 

Ferreira até pode indignar-se como uma virgem ofendida com as críticas que lhe fazem. Mas se José Ferreira quiser mesmo falar de calar pontos de vista e de pulsões censórias talvez devesse olhar em redor, olhar para o jornalismo português e perguntar-se onde estarão e em que quantidade e em que cargos os que têm pontos de vista diferentes dos seus. O proveito lúbrico está mostruosamente longe de estar do lado dos que o criticam.

 

 

 


mais sobre mim
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO