23
Dez 11
publicado por Tempos Modernos, às 17:33link do post | comentar

 

Depois de 48 anos à espera que a Ditadura caísse, Portugal recebeu a revolução com cravos e com a poesia na rua. Acreditou-se que não voltaríamos atrás.

 

Doze anos depois, com a entrada na CEE, parecia que era sempre a crescer. Que a vida era fácil, como diz o outro assobiando para o lado.

 

Ao longo de quase um século, o país passou incólume pela ideia de que a História tem retrocessos. Nunca fez o luto das ideias iluministas de progresso como o fizeram os europeus das duas guerras mundiais.

 

Pensou-se que a prosperidade viera para ficar. Que a liberdade também. Mas este ano, de 2011, qualquer semelhança entre o governo da União Europeia e uma democracia foi pura coincidência. Viveu-se já em pós-democracia.

 

Os mais atentos sabem que a coisa já aí anda há muito, larvarmente, mas a agora, a insuspeita The Economist fez tinir o alarme. De acordo com a classificação da revista, Portugal deixou de ser uma Democracia Plena. Passou a ser uma Democracia com Falhas, muito por conta do mandato da troika e das perdas de soberania associadas ao colapso eminente da zona Euro. Outros países se lhe seguirão.

 

E se entre os responsáveis eleitos, não se vê quem deite mão a isto, os eleitores não parecem tão preocupados quanto a situação exige. Talvez caiam em si quando a reposição da democracia tiver de ser feita a doer. Conheço muitos com quem não se vai poder contar.


mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15

19
20
21

25
26
27
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO