28
Jun 12
publicado por Tempos Modernos, às 13:31link do post | comentar | ver comentários (1)

 

Há escassas semanas o aumento do IVA na restauração provocou o alarme de cafés e restaurantes.

 

A subida de 10 por cento do valor a entregar ao Estado, em grande parte dos casos sem repercussão nos preços cobrados aos clientes, faz mossa.

 

O aumento afecta milhares e milhares de pequenos estabelecimentos, muitos de economia familiar, muitos praticando uma economia de quase subsistência, com pequeno número de empregados, subitamente confrontados com a crescente falta de clientes.

 

São restaurantes, cafés, snack-bares, pastelarias. Um sector que alimenta e dinamiza realmente a economia nacional. Tirando nas bebidas, nos produtos de limpeza, recorre em larga escala aos pequenos distribuidores, mercados e produtores locais. Garantem muitos milhares de postos de trabalho, em regra permanentes. Não deslocalizam lucros para a Holanda. Pagam cá os impostos.

 

Em tempos de crise, os jantares fora são das primeiras coisas a cortar. Imagina-se que se passará o mesmo com os pequenos-almoços na rua. Basta andar nos transportes públicos com olhos de ver para confirmar o aumento do número de passageiros transportando sacos térmicos, com refeições trazidas de casa.

 

Cada café, cada restaurante, cada snack-bar fechado é uma carga para o erário público, para o contribuinte, para a segurança social. Destrói postos de trabalho no café, no distribuidor e no produtor que abastecia a casa, até nas centrais cervejeiras e nas cafeeiras. Desempregados que receberão subsídio de desemprego. Empresas que deixam de pagar IVA e IRC. Gente que deixa de contribuir para a Segurança Social e de pagar IRS.

 

Parece da mais elementar racionalidade financeira que ao menos se repusesse o IVA nos 13 por cento, como aliás foi recentemente sugerido à esquerda, pelo PCP, com chumbo da maioria. O que se pouparia em prestações de desemprego e o que se ganharia em produção para o PIB não compensaria o corte?

 

Pode argumentar-se que não sei o impacto financeiro que teria a mexida no IVA. É verdade. Mas, por outro lado, Passos Coelho e Vítor Gaspar também não.


publicado por Tempos Modernos, às 11:38link do post | comentar | ver comentários (2)

A desculpa agora é a de que não há dinheiro e os últimos anos terão aumentado a quantidade de contratos a recibo verde.

 

O problema é que os acertos em Portugal são sempre para baixo e nunca para cima, excepto no que toca a rendas público-privadas e nomeações coloridas.

 

Não está mal, sendo o ministro do CDS-PP, partido campeão dos direitos das famílias. E depois há quem aplauda. Os que nada têm ficam demasiadas vezes felizes por ver descer os que ainda têm qualquer coisinha.


mais sobre mim
Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14
15
16

17

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO