01
Nov 12
publicado por Tempos Modernos, às 16:59link do post | comentar | ver comentários (1)

 


 

(Foto: expresso.sapo.pt)


“É criminoso. Na minha opinião, não é falta de competência, porque eu não quero acreditar que eles [o governo] sejam tão estúpidos que não percebem que assim não atingimos a recuperação mantendo o bem-estar da população”. 



publicado por Tempos Modernos, às 11:08link do post | comentar | ver comentários (1)

Marques Mendes deve ter muitas coisas interessantes para dizer. Digo deve ter pois não lhe sigo o programa semanal de tempo de antena na TVI.

 

Para antigos líderes do PSD com programas televisivos já me basta episodicamente o mais divertido Marcelo, eterno candidato à Presidência da República. E para formar uma opinião, prefiro a prática quotidiana de cada partido ao ponto-de-vista prosélito ou auto-promotor. É mais segura.

 

O antigo ministro da comunicação social de Cavaco diz que o FMI e o Governo já vão tratando da refundação pedida há dias por Pedro Passos Coelho. Acho bem.

 

Primeiro, levam-se vinte ou trinta anos a dizer que a segurança social é insustentável. Pelo caminho, segue-se o mesmo processo com a educação e a saúde. Em simultâneo, destroem-se a já então muito frágeis indústria e agricultura nacionais. Gasta-se dinheiro dos contribuinte em pareceres, em obra pública entregue a parcerias público-privadas e a empresas de amigos, duplica-se a estrutura do estado com empresas, observatórios, institutos onde fica facilitada a colocação de boys e se contorna os mecanismos da contabilidade e da contração públicas.

 

Quando deixa de haver dinheiro, recorre-se a empréstimos usurários junto da banca (Fernando Ulrich é um dos que se financia a juros baixíssimos para o emprestar ao Estado com juros muito mais altos) e diz-se que como se tem de pagar os juros todos, o país não pode sustentar nem as escolas nem os hospitais, nem os desempregados, nem os reformados.

 

Deve ser o tal desvio muito grande entre o Estado que os portugueses querem ter e o que podem pagar, de que falava o Gaspar. Ainda bem que há quem nos mostre onde devemos querer que seja gasto o dinheiro dos nossos impostos. Seja o Governo, seja o FMI.

 

 


publicado por Tempos Modernos, às 10:23link do post | comentar | ver comentários (2)

 

 

Em 2011, ainda vieram na manhã do dia 1, mas o estribilho para pedir bolinhos era já o das "gostosuras ou travessuras", tradução consagrada pelos brasileiros para as histórias da Disney e da Hanna-Barbera passadas na noite de Halloween.

 

Este ano, subiram ao prédio logo ontem à noite. O dia era o errado (os países do sul não assinalam a noite das bruxas ao estilo anglo-saxónico) e o pedido era o errado (mais uma vez pediram "gostosuras ou travessuras" em vez do pão-por-Deus).

 

Ou seja, uma tradição com fundamento nas práticas do catolicismo vê-se ultrapassada pela força do imaginário protestante. É que sem a carga de propaganda que atingiu a Inquisição católica, os países protestantes tiveram, na mesmo época, o contraponto bárbaro e fundamentalista da perseguição às bruxas.

 

O episódio pode ser comezinho, mas até aqui se mostra como do ponto de vista da instituição é pouco inteligente permitir o fim da celebração do dia de Todos os Santos. A igreja não sabe lidar com os paganismos contemporâneos

 

 


publicado por Tempos Modernos, às 09:45link do post | comentar | ver comentários (2)

A igreja negociou o fim do feriado do 1 de Novembro, um dos poucos feriados religiosos cujo sentido os portugueses não perdem de vista. Basta ver como se enchem os cemitérios e como, nas cidades mais pequenas, mesmo se vestida com outras fórmulas, muitas crianças continuam a ancestral prática do pão-por-Deus.

 

Saber adaptar-se às práticas dos crentes e dos não-crentes explica o sucesso milenar da igreja católica. Trocar uma festividade seguida e respeitada pela da Assunção de Maria, a15 de Agosto, e as declarações recentes do cardeal-patriarca de Lisboa contra as manifestações mostram uma instituição perdida e confundida no século.

 


publicado por Tempos Modernos, às 09:10link do post | comentar | ver comentários (1)

 

(Foto:http://ancienthistory.about.com)

 

Paula Castanho tem tempo suficiente de jornalista para saber as implicações do uso dos artigos definidos na construção de uma frase rigorosa e objectiva.

 

Ao acompanhar em São Bento os protestos contra o Orçamento de Estado 2013 diz em determinada altura que "agora" ouvem-se aplausos. No entanto confessa-se incapaz de perceber os motivos para estes. A jornalista afirma não ter ouvido declarações novas: apenas as habituais frases contra "os" deputados. O que poderia com legitimidade e rigor afirmar seria, quando muito, "apenas as habituais frases contra deputados", sem o artigo "os" que transforma alguns deputados em todos os deputados. A percepção é feita no domínio do quase subliminar. O que ainda torna as coisas mais graves.

 

Ora, se estiveram atentos ao dia político, os jornalistas têm obrigação de saber que a manifestação era contra o Orçamento de Estado. E logo contra os partidos que o aprovaram. Leia-se, PSD e CDS-PP com a excepção do deputado madeirense Rui Barreto.

 

Em nome da simplificação do discurso, ou da simplicidade de análise, não vale misturar todos os deputados no mesmo magote. Bernardino Soares e António Flipe do PCP foram alguns dos que os directos televisivos apanharam junto aos manifestantes. Estariam lá outros, de outros partidos. Não parece que tenham sido importunados. E se a saída de deputados em viaturas complica a identificação do parlamentar e leva ao apupo preventivo, não será por isso que os manifestantes de ontem não sabem distinguir o seu trigo do seu joio. A manifestação contra o orçamento de Estado para 2013 não foi nem contra a CDU, nem contra o BE e, no caso específico e concreto, nem dirigida ao PS, que ontem pode ter feito um certo corte com o passado mais recente.

 

O artigo definido usado por Paula Castanho é populista e demagógico. Aquilo que comunica, aquilo que põe em comum - de acordo com o étimo latino - não é objectivo, não é rigoroso, não é verdadeiro. Contribui para a estupidificação do discurso. Para a ideia de que eles, os políticos, são todos iguais. Mas não foi isso que aquela gente que esteve ontem em frente à Assembleia da República disse. Os manifestantes têm os seus alvos muito bem definidos. Dos estivadores, ao Movimento Sem Emprego, à CGTP, aos outros que lá estiveram. Passar o contrário nos canais televisivos cria nos espectadores que não estão no local uma realidade alternativa. A ilusão de que não há alternativas.

 

Já tive esta discussão com um ex-editor meu. A do uso dos artigos definidos. Recusava o meu ponto de vista. Cinco anos de estudos em Ciências da Comunicação, quase vinte anos de jornalismo, por acaso com os primeiros passos em redacção dados no mesmo sítio que a jornalista da SIC, e ninguém lhe ensinou os poderes performativos da semântica. Uma coisa que nem os antigos sumérios, há mais de quatro mil anos, ignoravam.


mais sobre mim
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
14


29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO