31
Dez 12
publicado por Tempos Modernos, às 12:30link do post | comentar | ver comentários (1)

 

(Foto: metroecuador.com.ec)

 

A nacionalização de quatro filiais da Iberdrola, na Bolívia, foi recebida com espanto e horror por uma boa parte dos comentadores online do Público.

 

Na cabeça daquela gente, a nacionalização faz parte do cardápio das ditaduras e qualquer empresa pública tem falência e ruína como destinos inevitáveis. Catequese, não mais que catequese.

 

É um mesmo tipo de fé que se vê nos militantes da National Rifle Association. Num e noutro caso, quem pode dizer a um crente que aquilo em que acredita está bem longe da cair no domínio da infalibilidade?

 

Evo Morales, o presidente boliviano, diz que as filiais da pretrolífera espanhola cobram o dobro das tarifas nas zona rurais do país. Que não pode ser. Que toda a gente tem direito à energia. E se se expropria a propriedade da Iberdrola, não se deixa de prever o pagamento de indemnizações. A energética espanhola vai querer receber mais, o Estado boliviano vai querer pagar menos. Mas não se trata de um saque.

 

Depois, nada, absolutamente nada, nas "leis" da Economia dita a gestão pública como pior que a privada. Que haja quem, em muito lado, se encarregue de o fazer parecer, são contas de outro rosário.

 

De qualquer forma, atendendo aos custos das parcerias público-privadas para as contas do Estado português, talvez fosse chegada a altura de muitos decisores meterem o missal na gaveta. O ano de 2013 corre o risco de vir a reformar vários sacramentos intocáveis.


mais sobre mim
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10

16
17
18
19
20

24
26
27

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO