Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Gaba-te cesta

por Tempos Modernos, em 17.03.13

 

(Foto: presidencia.pt)

 

 

Quando, dentro de três anos, deixar o palácio de Belém, a bordo de um helicóptero, para escapar às vaias do povo, Cavaco deixará saudades a Maria João Avillez, Marcelo Rebelo de Sousa, uma mão por completar de hermeneutas presidenciais, pouco mais.

 

Depois de trinta e tal dias de silêncio, Cavaco lançou o sétimo volume dos Roteiros, os seus discursos presidenciais, onde o mais relevante - e a crer nos analistas, nem isso - terá sido o auto-justificativo prefácio. Ora, a auto-justificação é para quem não tem poder, para quem não tem tribuna. Cavaco tem isso tudo. A acção presidencial, a havê-la, é auto-explicativa. 

 

A teoremática formulação de que o protagonismo presidencial é inversamente proporcional à sua influência carece de demonstração. Lembro-me sempre de um antigo professor de Análise Matemática dizer numa aula prática que era fácil inventar teoremas. Difícil era que servissem para grande coisa. Positivista, o académico social Cavaco vai mais longe. Estabelece leis sociais, mas não se dá sequer ao trabalho de as demonstrar, como exigem os teoremas.

 

E o secretismo está longe de assentar bem às democracias. A publicidade dos actos dos detentores de cargos públicos é aliás uma das principais virtudes destas. E depois, Cavaco nem sempre tem sido tão discreto como agora diz ser. Com Sócrates não faltaram alfinetadas públicas e ruidosas. A vingança serviu-a no prefácio dos discursos do ano passado. Duvida-se que não a venha a pagar. O ex-primeiro-ministro nunca teve feitio fácil.

 

Em Roteiros, Cavaco afirma-se como o homem providencial, o homem certo, no lugar certo - o que infelizmente poucos parecem notar. E quanto à Europa, embora inconsequente, até diz coisas acertadas. O pior é o resto. Entre o muito que desta feita Cavaco afirma não poder dizer no prefácio lá confessa a participação activa e responsabilidade na obtenção do acordo de concertação social (não se percebem os motivos da gabarolice) e sugere ter impedido a ruptura entre os partidos da coligação governamental (tretas, Paulo Portas nunca planeou sair do Governo: as críticas a Passos Coelho visam, isso sim, garantir um lugar num próximo Executivo). 

 

Cavaco, como de costume, tenta tirar o corpo fora. Fora de Cavaco, nada interessa a Cavaco. Fátima Bonifácio, que votou nele, dizia ao Público, na semana que passou, que a principal preocupação de Cavaco é "ficar sempre bem na fotografia". Não o vai conseguir. E o falhança será mais que merecido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D