Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O mundo a duas rotações e qualquer coisa do abismo

por Tempos Modernos, em 04.11.12

 

(Foto: foxnews.com)

 

Terça-feira joga-se o futuro imediato do planeta. Obama esteve longe de deslumbrar, maldita mania de se querer mostrar equilibrado com a finança e outros interesses, mas Romney será a catástrofe. Também para a Europa. Um resultado a aguardar com angústia.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:15

Portas destrói relações

por Tempos Modernos, em 28.10.12

O excesso de voluntarismo histriónico de Paulo Portas bem podia conter-se dentro de portas.

 

À solta no Pequeno Jogo diplomático mantém tiques inaproveitáveis. E de consequências trágicas.

 

Mobilizar uma navio de guerra para acorrer ao golpe de Estado de Abril, na Guiné-Bissau, provocou na ocasião a debandada de populações com receio de uma invasão pela antiga potência colonial e tropa da Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP).

 

Desde então, instalou-se a má-vontade para com os portugueses. Num país onde o rumor e o boato têm papel importante, tem um significado óbvio exibir fotografias do alegado comandante do ataque a um quartel em Bissau na semana passada envolto na bandeira portuguesa. A resistência a um inventado inimigo externo ajuda a cerrar fileiras. E a justificar barbaridades e golpes anti-democráticos em que a política guineense tem sido fértil.

 

Em simultâneo, fica em risco a comunidade portuguesa que o ministro dos Negócios Estrangeiros disse querer defender com a mobilização da fragata. Foi Portas que os pôs a jeito e lhes ofereceu o pescoço.

 

Nas últimas semanas, o ministro dos Negócios Estrangeiros tem tentado fazer-se a um futuro na política nacional. Se não for numa coligação com o PSD, poderá ser numa coligação com o PS. Mas a este nível, a irreponsabilidade e o aventureirismo deviam pagar-se caros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:02

Velhos hábitos?

por Tempos Modernos, em 23.06.12

 

A direita sul-americana tem uma tradição e proveito golpistas - consentidos e até fomentados por democracias do Norte - que faz olhar para o ultra-rápido julgamento e destituição legal do presidente paraguaio com grande cautela.

 

Na prática, o que aconteceu nas Honduras cujo governo democraticamente eleito foi deposto por um golpe de estado em 2009? que dirão agora as diplomacias europeias e norte-americanas? Que se o eleito é de esquerda então não vale?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:52

Risco de crise humanitária na Guiné Bissau

por Tempos Modernos, em 29.04.12

 

Num gesto inédito várias organizações não governamentais (ONG) a actuar na Guiné-Bissau alertam para o agravamento da situação humanitária naquele país africano na sequência de crise aberta no dia 12 de Abril. Além de condenarem o golpe de Estado, apelam à cooperação dos actores nacionais e internacionais e na resolução da situação através do diálogo.

 

Reunidas entre os dias 25 e 27 de Abril, 31 ONG, a que entretanto se juntaram mais duas, receiam que o agravar da situação esteja "a provocar escassez e subida dos preços dos bens essenciais, deslocação de pessoas à procura de segurança fora da capital com implicações em termos de educação e saúde pública, num momento em que se aproxima a época das chuvas, com alto risco de cólera e de outras epidemias."

 


 

 

 

Para ler o comunicado na Íntegra:

 

«Posicionamento de um conjunto de ONGs Nacionais e Internacionais na Guiné-Bissau face ao Golpe de Estado de 12 de Abril de 2012 

 

Reunido entre os dias 25-27 de Abril do ano em curso, um conjunto de Organizações Não-Governamentais (ONGs) nacionais e internacionais preocupadas com a situação político-militar desencadeada pelo golpe de Estado de 12 de Abril,


Preocupadas com as implicações e consequências políticas, sociais e económicas desta ação, nomeadamente no que concerne ao funcionamento das instituições e à segurança nacional, alimentar e sanitária das populações em geral,


Reconhecendo que o agravar desta situação está a provocar escassez e subida dos preços dos bens essenciais, deslocação de pessoas à procura de segurança fora da capital com implicações em termos de educação e saúde pública, num momento em que se aproxima a época das chuvas, com alto risco de cólera e de outras epidemias,


Considerando que com o deflagrar desta situação as condições de vida das comunidades foram também agravadas pelas limitações da capacidade de atuação das ONGs,


Considerando que esta conjuntura está a levar ao isolamento internacional do país,


Considerando que a continuidade ou agudização da situação atual levará à instauração de uma situação de emergência que colocará em causa os esforços de desenvolvimento em curso e resultará num retrocesso face aos progressos já alcançados a este nível,


As ONGs nacionais e internacionais signatárias decidem:


1. Condenar o golpe de Estado,


2. Apelar à libertação imediata de todos os detidos na sequência deste processo, ao fim das perseguições políticas, e ao respeito pelos direitos humanos, enfatizando os direitos civis e políticos,


3. Apelar à restituição da legalidade e da ordem constitucional,


4. Apelar aos atores nacionais e internacionais envolvidos na resolução desta situação a se engajarem na procura de soluções duráveis, através do diálogo,


5. Reafirmar o seu compromisso e empenho no trabalho de promoção do desenvolvimento nas respetivas comunidades, em prol do bem-estar do País,


6. Apelar às ONGs que concertem e coordenem os seus esforços, quer em termos regionais quer temáticos, de forma a minimizar os riscos e impactos potenciados com esta situação político-militar,


7. Apelar às comunidades e à população em geral para que conservem a paz, a coesão social e a cultura de solidariedade que caracteriza o povo guineense, mesmo em situações mais complexas e de crise,

 

8. Apelar aos operadores económicos nacionais e internacionais para que sejam solidários com a população, evitando a subida de preços dos produtos da primeira necessidade enquanto a situação prevaleça,

 

9. Apelar aos media nacionais e internacionais para que transmitam uma imagem mais abrangente do país, refletindo a realidade das populações e a sua voz,

 

10. Apelar à Comunidade Internacional para que continue a apoiar os esforços na promoção da paz, da segurança e do desenvolvimento na Guiné-Bissau.

 

Feito em Bissau, aos vinte e sete dias de Abril de 2012.
As organizações

 

1. ACEP
2. ACPP
3. AD
4. ADIM
5. AIDA
6. AIFA/PALOP
7. AJPCT
8. ALTERNAG
9. AMIC
10. CIDAC
11. CIDEAL
12. COPE
13. DIVUTEC
14. EAPP
15. EMI
16. ENGIM
17. FUDEN
18. IEPALA
19. IMVF
20. KAFO
21. LGDH
22. MEDICUSMUNDI
23. MON‐CU‐MON

24. NADEL
25. PAZ Y DESARROLLO
26. PLAN GUINEA BISSAU
27. RASALAO
28. RENARC
29. SNV
30. TINIGUENA
31. VIDA
32. ESSOR
33. MANITESE»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:04

Presidenciais francesas.

por Tempos Modernos, em 22.04.12

Jusqu'ici va bien, mas há Marine Le Pen.

 

De qualquer forma são sinais positivos, num país menos afectado pela crise que outros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:23

Notas civilizacionais I: Boicote ou Mercado Livre

por Tempos Modernos, em 22.04.12

 

Em Buenos Aires, Cristina Kirchner nacionalizou há dias uma petrolífera. Na Comissão Europeia, na suicidária Europa, soaram os badalos. A não ser que seja para salvar bancos - ainda por cima corruptos - as nacionalizações não se justificam, embora se saiba quem paga a conta.

 

Na televisão, Paulo Rangel, eurodeputado pelo PSD, atacou a presidente sul-americana, lembrando que a Argentina anda afastada dos mercados há dez anos. No fundo, acrescente-se, desde que rompeu com acordos que a obrigavam a seguir a actual receita europeia.

 

Rangel e os críticos nada disseram sobre as acusações de boicote feitas por Cristina Kirchner, que contribuem activamente para adiar o regresso aos tão virtuosos leilões de dívida.

 

Segundo a chefe de Estado argentina, a petrolífera não terá investido suficientemente no país o que, só em 2010, levou a importações de quase dez mil milhões de dólares em combustível.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46

Em algumas zonas de maioria balanta da Guiné Bissau já se manda os portugueses irem para casa, garantiu fonte bem informada ao Tempos Modernos.

 

E os sentimentos locais em relação a Angola e à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa não são melhores.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

A pátria deles (reescrito com nota)

por Tempos Modernos, em 21.04.12

Aqui há uns anos, durante um curso de segurança e defesa para jornalistas, no Instituto de Defesa Nacional, falei um bocado sobre política de língua portuguesa com um antigo responsável governamental socialista.

 

Não havia ali uma ideia sobre o assunto, tirando a vaga intenção de construir uns sites e assim.

 

Há muito que a Espanha percebeu a importância do tema. A França também e até mesmo a Alemanha, cujo idioma só se fala na Europa, tem uma atenção ao Goethe Institut sem paralelo em Portugal ou no Brasil. Affonso Romano de Sant'Anna, recentemente, em depoimento ao Jornal de Letras, declarava que, apesar dos 200 milhões de falantes, o português é um dialecto.

 

Nos últimos anos, numa opção pessoal que tem mais de emocional que de racional, milhares de portugueses têm aprofundado e certificado o seu conhecimento de espanhol, idioma quase gémeo, cuja leitura e compreensão oral se tornam quase imediatas com escasso convívio. Não são as ligeiras diferenças sintáticas e os falsos amigos que justificam a dimensão do investimento. Nos níveis iniciais, então, vale a pena comparar os ritmos de entendimento de um português e do falante de outro idioma, a mais que justificarem um regime de ensino diferenciado e com menos etapas.

 

No que toca a prémios, a entrega do Cervantes é aguardada com expectativa pelo mundo intelectual. A percepção do Camões - e da sua evidente utilidade - é tão reduzida que na comunicação social mainstream em português chega a ter mais impacto a entrega do PT Literatura. E o próprio nome da coisa não é consensual entre as entidades portuguesas e brasileiras que o financiam. No portal do Ministério da Cultura brasileiro chega mesmo a chamar-se-lhe mesmo Prémio Luís de Camões.

 

 

Mas que fazer quando são os próprios portugueses, alguns deles com evidentes responsabilidades de Estado, que insistem em mostrar os seus dotes para falar estrangeiro em qualquer sítio onde se encontrem? Sampaio, Cavaco, Guterres, Durão Barroso, Sócrates, Passos Coelho, chegam a sítios pejados de tradutores-intépretes e preferem expressar-se na língua dos outros ou numa língua terceira.

 

O caso da Guiné voltou a evidenciá-lo. Nas Nações Unidas, o habitualmente patriótico Paulo Portas optou pelo inglês. Declarações em português ficaram por conta de um angolano, representante de uma potência regional que parece já ter percebido melhor que os seus irmãos mais velhos a verdadeira importância de uma política de língua.

 

Nota: Pelos vistos, , no seu discurso, Paulo Portas ainda fez uma perninha em crioulo. O que quer dizer que percebe a importância do uso da língua.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:42

As asas da borboleta ou a campainha do mandarim

por Tempos Modernos, em 19.04.12

 

A ligeireza populista com que nas feiras Paulo Portas se faz apanhar pelas câmaras de televisão pode terimpacto internacional.

 

Desaparecido ao longo de meses nas bolamas dos Negócios Estrangeiros, o ministro reapareceu para se mostrar a fazer figura.

 

Evidenciou a imagem de estadista de pulso que gosta de fazer passar. Sempre faz esquecer o seu papel essencial como produtor de frases de efeito.

 

A vaidade de Portas é preocupante quando os assuntos são delicados. A realidade comprova a análise, Demasiadas vezes e com demasiada força.

 

Na Guiné Bissau, o anúncio tonitruante da activação de uma Força de Intervenção Rápida Portuguesa não terá ajudado à eficácia de uma evacuação de portugueses.

 

Mas conseguiu lançar uma vaga de pânico entre os guineenses. Assustados com um desembarque português, parte da população deslocou-se da capital.

Portas deve ter relembrado os tempos d'O Independente.

 

Mais uma vez um sound bite seu conseguiu causar estragos. Só que a existência de deslocados é um dos mais preocupantes e mortíferos fenómenos das guerras e conflitos africanos.

 

Entretanto, no terreno, e como de costume, a situação parece ter-se resolvido por si. Tal como das outras vezes em que não se ouviu falar dos militares portugueses.

 

Em Bissau, nunca se sabe muito nem quem manda, nem quem age, nem com que motivações. Quanto mais nas Necessidades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00

O direito a usar arma

por Tempos Modernos, em 10.04.12

Ao menos desta vez as brincadeiras infantis dos Borbóns com armas não tiveram resultados trágicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D