Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O PS que deita a política borda fora

por Tempos Modernos, em 23.02.14

Na semana passada, Silva Pereira voltou à carga com a responsabilidade do PCP e do BE na chegada da actual maioria ao Governo. A história vai sendo largada enquanto mantra para auto-consumo dos militantes desde o chumbo das propostas contidas do quarto Pacote de Estabilidade e Crescimento apresentado por José Sócrates ao país.

 

A questão é bem mais importante do que parece aos demagogos que constroem algumas das narrativas do PS. E verdadeiramente destruidora da Democracia e da Política. Mas o tremendamente grave é que se mostrem incapazes de o perceber.

 

No essencial, é uma narrativa de onde está ausente qualquer crença na democracia e na política, é a concepção pragmática que levou todos os partidos sociais-democratas à morte logo com a queda do muro de Berlim.

 

Em Portugal, Guterres, com as agendas liberais de correias de campos, bessas e mateuses atreladas foi já o cadáver nauseabundo de um partido transformado em terceira via. Uma coisa sem ideias suas, sem programa seu, sem convicções próprias. As da Banca - ainda há pouco escoradas em Maastricht por um primeiro-ministro que a afastamento bem medíocre retornou e que aldrabaria eleitores até chegar a Belém - serviam bem. Aliás, serviam muito bem, como se veria muitos anos depois com o inevitável e responsável (viu-se) Tratado de Lisboa.

 

Por essa altura, as ligações política-negócio tinham-se corporizado em gente como Jorge Coelho. Mas havia ainda a relativização dos direitos humanas e o autoritarismo do desejado António Costa posto em letra de citação postal e em mandados de busca e captura cumpridos madrugada fora; ou nos voos da CIA à conta da traição neo-conservadora de Luís Amado e ignorados por Sócrates na sua tese sobre Tortura em Democracia.

 

Pelo menos desde a queda do muro de Berlim que os sociais-democratas (família onde o PS se inclui) não têm uma ideia sua. Terão uma maneira sua de pôr em pé a ideia de Outro, ou, muito vezes uma maneira-outra de pôr em prática a ideia de Outro. Em Portugal, privatizações, PPP, mexidas neo-liberais no Código Laboral, despaisamento e desertificação, esvaziamento de serviços públicos.

 

 

Quando no PS se afirma que PCP e BE são responsáveis pela chegada ao poder de Passos Coelho, Paulo Portas e da tróica, estão na realidade a recusar a existência do debate democrático e político. Reservam aos partidos à sua esquerda, uma espécie de papel de tutor do PS para se manter no poder. Recusam que PCP e BE discutam a democracia e a política nos moldes em que esses dois partidos pensam a sociedade.

 

No argumentário de Pedro Silva Pereira (peditório para que curiosamente o seu muito próximo Sócrates não tem dado) só existia uma opção política e democrática em cima da Mesa. E essa tinha de ser tomada nos exactos termos do debate democrático balizado pelo PS, PSD e CDS-PP. Em cima da mesa, segundo este ponto de vista socialista, ou o PEC e o PS, ou a tróica com o seu conjunto de medidas da mesma família ideológica das previstas nos PEC e a actual maioria.

 

Os partidos representantes das ideias de cerca de 15 por cento do eleitorado tinham pois de excluir os seus pontos de vista da discussão pública.

 

E é aqui que no PS se faz o jogo neo-liberal. Ao recusar que PCP e BE tenham e defendam a sua própria mundividência política, o PS exclui dos dois partidos de qualquer debate democrático. Mas vai mais longe. Pois exclui um conjunto de eleitores da participação cívica, recusando-lhes o direito de pensar fora do pragmatismo hegemónica. Remete esses partidos, essas ideias, esses eleitores para fora da ordem estabelecida e da qual se sente legítimo representante.

 

Ou seja, o PS que aplaude estas ideias de Silva Pereira reserva-se um papel na ordem estabelecida, mas remete outros – na melhor das hipóteses uma multidão irracional – para o papel dos excluídos da história, da política e da democracia. O PS faz-se pois representante de um dos pontos de vista mais reacionário e mais contrários à social-democracia. O ponto de vista daqueles que acham que duas pessoas bem intencionadas com a mesma informação escolhem sempre a mesma solução.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D