07
Ago 16
publicado por Tempos Modernos, às 15:20link do post | comentar

Problemas dos referendos num par de respostas do escritor Ian McEwan, em entrevista ao Diário de Notícias:

“David Cameron fez uma aposta com o referendo, achando que fixaria uma posição definitiva em relação à União Europeia por várias gerações. Só que falhou! […] o referendo do brexit foi um plebiscito hitleriano com uma margem de 4% […] o referendo apenas tirou a fotografia ao sentimento nacional de um único dia, obrigando a rever um tratado e a absorver a energia nacional noutra direção. O que nos sairá caro.”

Os referendos sobre o futuro de um país tendem a amarrar os povos a posições definitivas, ao contrário das eleições que permitem mudar políticas de quatro em quatro anos. Não dá para saírem e voltarem a entrar quando se fartarem. E terá sido nisso que Cameron pensou. Segundo o escritor, o ex-primeiro-ministo britânico acreditava que através do referendo amarraria sucessivas gerações de governantes à União Europeia.


04
Jul 16
publicado por Tempos Modernos, às 11:34link do post | comentar

Na semana passada, John Kerry, secretário de Estado norte-americano, esteve em Bruxelas. Acerca do Brexit disse que

 

"É absolutamente fulcral que nos mantenhamos focados para que ao longo deste período de transição ninguém perca a cabeça, adopte atitudes arrogantes ou comece a promover abordagens menos reflectidas ou vingativas."

 

Apesar de encontros unilaterais de países fundadores do Mercado Comum, a chanceler alemã também disse que:

 

"Isto deve ficar muito claro. Não poderá haver negociações informais antes da Grã-Bretanha ter declarado oficialmente a sua saída da União Europeia."

 

Para já ninguém dá pelas consequências destes apelos ao bom senso. Angela Merkel não fala a sério e está apenas armada em polícia boa.


28
Jun 16
publicado por Tempos Modernos, às 10:57link do post | comentar

John Kerry, secretário de Estado norte-americano estará longe de ser um radical. Mas às vezes parece:

 

"É absolutamente fulcral que nos mantenhamos focados para que ao longo deste período de transição ninguém perca a cabeça, adopte atitudes arrogantes ou comece a promover abordagens menos reflectidas ou vingativas".

 

As declarações foram feitas depois de uma reunião com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e com a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini.


27
Jun 16
publicado por Tempos Modernos, às 15:05link do post | comentar

Bruxelas quer impor sanções a Portugal e Espanha por causa do falhanço do seu próprio plano de ajustamento - um regime de empobrecimento e de tranferência de riqueza que é soberana, económica e socialmente criminoso.

 

Logo no seguimento do Brexit, ameaçaram o Reino Unido com retaliações e deixaram claro ser eles os donos da Europa. De modo cobarde, esperaram pelas eleições em Espanha - não fossem prejudicar o PP, partido que lhes fez os fretes.

 

Oito anos de crise espalhada e ainda não perceberam nada da Europa que criaram nem das consequências da hostilidade, humilhações e ressentimentos que teimam em cultivar. Se têm mesmo vontade de manter o projecto de pé, não se nota muito.

 

O referendo proposto ontem por Catarina Martins na convenção do Bloco de Esquerda, pode não ter cobertura constitucional, mas possivelmente já antecipava a notícia desta segunda-feira. Alguma coisa terá de fazer-se. E se a coisa não é reformável por dentro, bem se pode criar algo de limpo e asseado ao lado.


26
Jun 16
publicado por Tempos Modernos, às 13:01link do post | comentar

Pelo menos no discurso, Paulo Rangel chegou a ultrapassar pela esquerda um candidato do PS ao parlamento europeu. E venceu Vital Moreira. Depois disso lá acertou agulhas e nos últimos anos tornou-se um político desinteressante e demagogo.

 

Anteontem, na TVI24, justificava a bondade da reunião conjunta dos ministros dos negócios seis países fundadores da CEE. Que têm todo o direito de se encontrar e discutir o Brexit entre eles, dizia.

 

Para justificar a atitude dos seis países europeus que se acham mais europeus que os outros países europeus, Rangel até se lembrou de sugerir uns encontros portugueses com os estados atlantistas da União Europeia.

 

Embora o  modelo sugerido pelo euro-deputaddo do PSD fosse mais o dos contactos diplomáticos que os de um encontro clubístico, serviu-lhe a coisa para justificar a exclusivista reunião dos seis auto-denominados donos da Europa.

 

Perante a crise provocada pelo Brexit, meia dúzia de países e os seus capatazes embarcam na retaliação e no acentuar das divisões internas de um corpo mais que doente. Fuga para a frente, pela enésima vez. Perante exigências de que o Reino Unido saia depressa, que outras conclusões tirararam os ministros dos negócios estrangeiros dos seis (Alemanha, França, Itália e Benelux)?

 

"Não deixarão ninguém tirar-nos a nossa Europa", disse o ministro dos negócios estrangeiros alemão.

 

O uso do possessivo não os recomenda a ninguém. Mas há quem alinhe cegamente. Paulo Rangel junta à estridência, a incapacidade para entender os problemas da Europa. A indiferença (e até o apreço) à humilhação dos povos e o cultivar instrumental do ajojar da soberania - os fins justificam os meios - fá-lo justificar o injustificável. É dessa massa que o grosso dos poíticos europeus é feita. Não perceberam nada, nem vão perceber.

 

Como, no mesmo programa da TVI 24, o comunista João Oliveira respondia a Paulo Rangel, "é verdade que os seis países têm o direito de fazer as reuniões que quiserem. Mas os outros também têm o direito de tirar as suas ilações".

 

E, já agora, alguém acredita que perante tão evidente cerrar fileiras, os outros estados e povos europeus não começarão a confirmar algumas ideias disruptivas acerca dos interesses, desígnios e vontades destes voluntariososos directórios e dos seus defensores?

 

 


24
Jun 16
publicado por Tempos Modernos, às 19:01link do post | comentar

O juízo é cena que não tem propriamente assistido aos líderes europeus.

 

Do ponto de vista dos defensores da União Europeia, que sentido fará realizar amanhã uma já por si estranha reunião dos ministros dos negócios estrangeiros dos seis países fundadores da CEE?

 

Depois de aprovado o Brexit, faz mesmo sentido evidenciar um directório de países que se consideram mais europeus que os restantes. Uma iniciativa que, está-se mesmo a ver, tem tudo para fazer outros povos sentirem-se desejados no projecto.


mais sobre mim
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO