11
Nov 16
publicado por Tempos Modernos, às 10:13link do post | comentar

Um muito razoável número de analistas fala da vitória de Donald Trump como resultado da arrogância “das elites progressistas”. É por exemplo o ponto de vista do ex-presidente da fundação do Pingo Doce.

 

Mas e quanto ao discurso racista, sexista, homofóbico e por aí fora do candidato republicano e dos seus apoiantes? Existe uma equivalência de grau e de qualidade?

 

Nestas grelhas de análise, torna-se complicado perceber o modo como se qualificam os discursos acerca dos comportamentos sociológicos. Arrasar o carácter de minorias e acusá-las dos males da sociedade é ou não é arrogância? Existe, de facto, uma elite progressiva arrogante? E a minoria bronca é mesmo uma minoria e estará, de facto, destituída de voz?

 

 


05
Fev 15
publicado por Tempos Modernos, às 10:17link do post | comentar

"Fui educado por um outro código, que já não vigora: o de que não se bate numa pessoa que está caída, não se goza com um preso, não se brinca com um doente, não se ri de um soldado coxo na formatura."

 

Adaptado de declarações de João Araújo,  advogado de José Sócrates, em entrevista ao i.


20
Mar 13
publicado por Tempos Modernos, às 17:32link do post | comentar

Neste post, cito uma sondagem da Universidade Católica em cujos resultados não acredito grandemente. Quem anda na rua, vai aos cafés, usa os transportes públicos não acredita que logo a seguir a uma manifestação como a do 2 de Março o PSD tenha subido quatro pontos nas intenções de voto.

 

Já acredito que o PS e os restantes partidos da oposição não descolem de modo claro. A credibilidade governativa depende bastante de factores extrínsecos à validade ou existência de propostas alternativas. E essa credibilidade é no essencial bastamente construída por tiro de barreira comunicacional.


17
Nov 11
publicado por Tempos Modernos, às 14:14link do post | comentar | ver comentários (1)

Ando numa fase tremendamente optimista.

 

Vejo oportunidades em tudo, como defendem que se deve fazer os prosélitos "da crise para os outros".

 

O relatório do grupo de trabalho para o serviço público de televisão serve ao menos para mostrar uma coisa aos mais distraídos: A cepa da cultura democrática das figurinhas que geraram o documento. Desde o falante aos que não o mandaram calar por dizer coisas em nome de todos.

 


mais sobre mim
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO