29
Abr 12
publicado por Tempos Modernos, às 11:35link do post | comentar | ver comentários (1)

 

À primeira audição, o contagioso Virou!, dos Diabo na Cruz, tem em Roque Popular um sucessor não particularmente entusiasmante. Mas, também, que querem?, o primeiro álbum era um prodígio de hits. Cada faixa, cada single.

 

Em Roque Popular, o humor e a fluência das letras são, o mais das vezes, comidos pela dicção de Jorge Cruz. A barreira elétrica não reforça mas abafa. O pior é que, no mundo da tradição, a palavra é importante.

 

Agora, já sem Bernado Fachada no elenco oficial, os Diabo na Cruz ensaiam o périplo nacional. Sem o tom de festa de Virou!, os temas viajam pelo país, convocados pela Serra da Estrela, Viana do Castelo, Alfama ou Idanha.

 

Subsiste a naturalidade de refrões como "E se o teu pai não aceita, desconfia, do que eu tenho para te dar/Ele que saiba que eu trabalho, todo o dia, pelo roque popular". Versos apontados à crise, como "Ir para angola pode mesmo ser a salvação". Porém, o tom geral é baço, quase equalizado, um conjunto de lados B, sem pontos altos que se intrometam.

 

Honesto, Roque Popular não envergonha, mas também não sequestra as almas. Desejava-se mais deste segundo round da banda. Bem necessitado se anda de catalizadores artísticos.


mais sobre mim
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO