22
Fev 12
publicado por Tempos Modernos, às 16:02link do post | comentar | ver comentários (1)

O contrário, especificou o provedor, é a possibilidade de existirem situações de "gratidão" e de "zelo" excessivo. "Muitas vezes - ou algumas vezes - há um sentimento que se sobrepõe e não tem nada a ver com a amizade, pode ser a gratidão. Algumas vezes pode-se ser mais papista que o Papa", comentou Mário Figueiredo. Em certos casos, acrescentou, "não há necessidade nenhuma de haver interferências porque há este sentimento estranho, que é a gratidão em relação a quem me mantém no lugar e me mantém as benesses".

"Eu já ouvi uma versão nos corredores [da RTP] e incomodou-me muito. Alguém terá dito - e se o disse é gravíssimo -, na sequência de o Pedro Rosa Mendes ter dito mal da empresa e de um programa da RTP que 'isso é a mesma coisa que morder a mão que nos dá de comer'", contou Mário Figueiredo. "Se isto foi dito e interiorizado, isto traduz muitas coisas."

 

Nota: Este post é para ser lido com este.

 


publicado por Tempos Modernos, às 11:22link do post | comentar | ver comentários (1)

 

Completo em Abril dez anos de jornalismo. A minha primeira peça assinada saiu no dia 25 e desde então, quase sempre em ambiente de redacção, exerci a profissão em regime alimentar, irrelevante, sem nunca deixar a precariedade.

 

Mal cheguei, não levei mais que meia-hora a perceber o que o chanceler Bismark queria dizer ao referir que as pessoas teriam mais confiança na feitura das leis e das salsichas se não soubessem como elas eram produzidas. Percebi que com o jornalismo se passa exactamente a mesma coisa.

 

São dez anos, em que nunca deixou de se fazer sentir a pressão interna para a acomodação ideológica, entendida em sentido lato e não partidário ou político. A pertença a qualquer grupo obtém-se não pela qualidade ou dedicação mas pela comunhão de pontos de vista, nem que esta seja gostar de futebol, de roupas de griffe ou de comida italiana. No jornalismo, casa de ferreiro, é igualzinho.

 

Não mordas a mão que te alimenta é mantra diário, garantindo a mansidão de chefias bem pagas e de estagiários assustados pela legião de (mal) formados saídos das escolas de ciência da comunicação. Mas tudo isto não passa do pequeno jogo. Quotidiano, mas pequeno. Que só episodicamente o jornalismo se aproxime da realidade pouco interessa. Não são os leitores que interessa conquistar e sim a publicidade.

 

No Caso Rosa Mendes está-se no campo do grande jogo da profissão. Um jornalista de nível internacional, um dos melhores entre os melhores, cuja coragem e qualidades em campo mais do que se destacam, é atropelado e despedido por fazer o que um jornalista tem de fazer. Com uma agravante: há jornalistas e ex-jornalistas que acham razoável e justificável a situação.


mais sobre mim
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO