26
Nov 12
publicado por Tempos Modernos, às 19:11link do post | comentar | ver comentários (3)

Sou uma pessoa qualificada. O tipo que me ensinou a fritar peixe conquistou duas estrelas Michelin nos últimos anos.


28
Jun 12
publicado por Tempos Modernos, às 13:31link do post | comentar | ver comentários (1)

 

Há escassas semanas o aumento do IVA na restauração provocou o alarme de cafés e restaurantes.

 

A subida de 10 por cento do valor a entregar ao Estado, em grande parte dos casos sem repercussão nos preços cobrados aos clientes, faz mossa.

 

O aumento afecta milhares e milhares de pequenos estabelecimentos, muitos de economia familiar, muitos praticando uma economia de quase subsistência, com pequeno número de empregados, subitamente confrontados com a crescente falta de clientes.

 

São restaurantes, cafés, snack-bares, pastelarias. Um sector que alimenta e dinamiza realmente a economia nacional. Tirando nas bebidas, nos produtos de limpeza, recorre em larga escala aos pequenos distribuidores, mercados e produtores locais. Garantem muitos milhares de postos de trabalho, em regra permanentes. Não deslocalizam lucros para a Holanda. Pagam cá os impostos.

 

Em tempos de crise, os jantares fora são das primeiras coisas a cortar. Imagina-se que se passará o mesmo com os pequenos-almoços na rua. Basta andar nos transportes públicos com olhos de ver para confirmar o aumento do número de passageiros transportando sacos térmicos, com refeições trazidas de casa.

 

Cada café, cada restaurante, cada snack-bar fechado é uma carga para o erário público, para o contribuinte, para a segurança social. Destrói postos de trabalho no café, no distribuidor e no produtor que abastecia a casa, até nas centrais cervejeiras e nas cafeeiras. Desempregados que receberão subsídio de desemprego. Empresas que deixam de pagar IVA e IRC. Gente que deixa de contribuir para a Segurança Social e de pagar IRS.

 

Parece da mais elementar racionalidade financeira que ao menos se repusesse o IVA nos 13 por cento, como aliás foi recentemente sugerido à esquerda, pelo PCP, com chumbo da maioria. O que se pouparia em prestações de desemprego e o que se ganharia em produção para o PIB não compensaria o corte?

 

Pode argumentar-se que não sei o impacto financeiro que teria a mexida no IVA. É verdade. Mas, por outro lado, Passos Coelho e Vítor Gaspar também não.


mais sobre mim
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO