03
Ago 16
publicado por Tempos Modernos, às 12:03link do post | comentar

Por muito brilhantes que os dois autores sejam, e são, tenho alguma dificuldade em levar a sério as análises do Ministério da Educação feitas por Paulo Guinote e Carlos Fiolhais .

 

Em 2011, já para começar a criticar o ministro da Educação de Passos Coelho, o professor de História dizia ter sido:

 

"[U]m dos que acolheram com enorme expectativa a nomeação de Nuno Crato para ministro da Educação, fruto de uma admiração pelo seu discurso claro e objectivo contra o que, na opinião de muita gente e atravessando fronteiras ideológicas ou político-partidárias, impossibilitou a nossa Educação de dar o salto da conquista da quantidade para a da qualidade."

 

Por sua vez, em 2012, o físico da Universidade de Coimbra ainda arranjava motivos para elogiar o ministro da Educação saído do catálogo da Gradiva. Falava de "impulso reformista", de "cortes na despesa", de "revolução traquila". Dois anos depois, em 2014, já tudo era passado:

 

"Também eu simpatizei com Nuno Crato e com a sua ideia de «implosão» do Ministério da Educação."

 

O discurso de Crato sempre trouxe dentro do seu discurso aquilo que depois foi. Que não lhe tenham topado o ovo autoritário e privatizador dentro de um discurso de exigência e rigor mostrou falta de discernimento.

 

O novo ministro da Educação pode ter muitos defeitos, vir a revelá-los todos e até não resolver problema nenhum. Mas Brandão Rodrigues tem para já a enorme vantagem de não alimentar uma narrativa da edcação e da avaliação enquanto castigos e da escola enquanto simuladora das dificuldades da vida. Só isso já é uma limpeza de alma não desprezável.


mais sobre mim
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO